segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Lembranças da Capital do Vestuário

Um ano se passou, um ano exato, amanhã fará 365 dias que fui me “aventurar” no estado de Goiás, e após um ano algumas reflexõezinhas são pertinentes.




Vivi no Paraná aproximadamente 5 anos, cheguei em setembro de 2005 e ejetei minha vida rumo ao Goiás em 22 de fevereiro de 2010, fui a baiana mais cianortense daquela atmosfera e por lá vivi os anos mais lindos, loucos e intensos de ¼ de século de vida.



Hoje me bateu uma saudades louca desta pequena-grande cidade, escondida entre a fronteira do Paraguai e São Paulo, Cianorte e seus cheiros, sentimentos e emoções.



Saudades do gosto da maionese verde dos lanches, em especial daquele próximo da praça do skate, como é mesmo o nome? Auau lanches! Delícia. Saudades dos sábados na locadora do Rui que me tornou um dos seres mais cinéfilos que conheci, saudades do Unibar, do Goldbar, do Vips Bar, e toda a boemia que havia por lá habitava.



Saudades dos almoços de domingo regados de shoyu, seja no China perto do Kikão ou no Chinês do Supermercado São Francisco, ah, que saudades deste supermercado, onde nos finais de semana todos por lá se encontravam, coisa de cidade pequena que amo, amo e morro de saudades.




Saudades da turma dos locais onde trabalhei, das famílias que fiz parte, que ainda fazem parte de mim, desde o principio com o Martins e sua esposa Sandra, colegas que se tornaram amigos. Sérgio meu padrinho em cianorte, gerente do Banco do Brasil, meu primeiro emprego em Cia. Dona Sônia, Sr. Zezim, saudades dos nossos passeios para a fazendo no final de semana regados de comidinha caseirinha boademaisdaconta, Valdez e Roseli, os seres mais especiais que substituíram meus pais em minha formatura e toda a convivência que tivemos nos três anos em que foram além de patrões, amigos, pais.




Saudades daqueles amigos que são pra vida inteira, medo de esquecer alguns nomes, mas tem alguns que eu quero logo em breve reencontrar e dizer atraves de um abraço apertado quanta falta vocês fazem: Alessandro, Osmar, Enilda, Dona Cida, Cibelle, Marcos Lima, Marcia, Tiago, Camila, Jaqueline, Danilo, Jonas, Jeremias, Marcão, Li, Magrela, Peterson, Josi, Roiz, Flávia, Aninha, Betula e Luci ( não eram de Cianorte, mas estavam presentes na minha vida o tempo inteiro, principalmente o último ano) e se esqueci alguém que este alguém sabe quem, sabe que minha memória é falha.



Saudades das formaturas, dos tererés, dos domingos no bobodromo, dos passeios em torno do bosque da cidade, da cor do céu nos dias frios, da faculdade, das expovests, do cheiro de jeans nas calçadas em suas facções, de respirar a produção de moda em cada esquina, das viagens à Maringá, dos sorrisos, das lágrimas, do calor e do frio queos anos por lá me fizeram apreciar.



E é por estas e outras que logo terei que voltar,
saudades, saudades, e até logo.

4 comentários:

  1. adorei o post... nostagia boa de viver o que é bom.. adoro vc.. bj
    Fabíola (Barreiras-BA)

    ResponderExcluir
  2. Nossa adorei o texto, chegou doer em mim...!!! Saudades Saudades desse lugar que em alguns dias parecia ser ruim... mas em outros maravilhosos!!!
    Tudo faz parte da nossa vida!!


    Bjs baiana saudades
    Li

    ResponderExcluir
  3. Fico triste por não ter aproveitado você por mais tempo... Mas o que quero é desejar mais sucesso do que vc já tem, pq sei que merece. Muito!

    ResponderExcluir
  4. ainda tá em tempo bruneka, sai da toca, saudadessssssssssssssss

    ResponderExcluir